06/09/2020 às 13h19min - Atualizada em 06/09/2020 às 13h19min

Somente 30% das regiões gaúchas estariam aptas a retomarem aulas presenciais, segundo decreto do governo

https://gauchazh.clicrbs.com.br
Apenas nove das 30 regiões que compõem o mapa do distanciamento controlado do Estado estão aptas a retomarem as aulas presenciais na próxima terça-feira (8). O número é baixo, porque há uma condição imposta pelo Piratini para a volta às salas de aula, confirmada em decreto publicado neste sábado (5): é preciso que a região tenha sido classificada com bandeira amarela ou laranja por, no mínimo, 14 dias para que seja possível o retorno às atividades escolares presenciais. Tendo em vista esse critério, somente 30% das regiões cumprem esta exigência. 
Vale ressaltar que esse resultado tem como parâmetro o mapa preliminar divulgado na sexta-feira (4) pelo governo do Estado. Ou seja, as cidades que estão com bandeira vermelha, por exemplo, podem entrar com recurso, e as decisões resultam no mapa definitivo a ser exibido somente na segunda-feira (7). 
Apenas as regiões de Santa Maria (R01 e 02), Uruguaiana (R03), Bagé (R22), Caxias do Sul (R 23, 24, 25, 26) e Cachoeira do Sul (R27) são as que teriam permissão para esta volta. Contudo, não são todas elas que estão dispostas a permitir a reabertura dos portões escolares. 
Veja perguntas e respostas sobre a volta às aulas no Estado
Ao longo da semana, Jorge Pozzobom, prefeito de Santa Maria, afirmou que os 32 municípios da região decidiram não retomar as aulas presenciais da rede pública enquanto não houver "absoluta segurança de que poderemos cuidar dos alunos, professores, servidores, estagiários, pessoal do transporte, toda essa rede" .
— Rede municipal não tem hipótese de retomar as aulas presenciais — reforçou Pozzobon, deixando em aberto, por outro lado, a possibilidade da reabertura da rede privada conforme deliberações do governo do Estado.
Na região de Uruguaiana, 10 dos 13 municípios não aprovaram o retorno dos estudantes. O principal ponto de preocupação dos prefeitos é a falta de segurança para os estudantes e profissionais.  
Na área de Bagé, os mandatários municipais optaram somente pela liberação das escolas privadas da Educação Infantil. O argumento é de que não há segurança para voltar neste momento. De acordo com Mario Augusto Gonçalves, presidente da Associação dos Municípios da Região do Sudoeste do Estado, 55% dos servidores da educação da região fazem parte do grupo de risco para o coronavírus. 
 
A Serra é a região que mais tem apresentado cidades que autorizaram a retomada dos trabalhos presenciais: Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Flores da Cunha, São Marcos, Carlos Barbosa, Garibaldi e Canela. Todas com flexibilização apenas para a rede particular.
Na região de Cachoeira do Sul, a decisão foi de não retomar as atividades escolares.
Cidades como Lajeado e Erechim, que haviam afirmado que retomariam os trabalhos presenciais por estarem em bandeira laranja, regrediram na classificação dada pelo Piratini. Marcelo Caumo, prefeito de Lajeado, pretende recorrer:
— Encaminhamos o recurso. Nossa ideia segue a mesma.
Luiz Francisco Schimidt, prefeito de Erechim, afirmou que encaminhou os recursos para a cidade e região na manhã deste sábado e que está reavaliando o dia de volta às aulas presenciais. 
— Estamos reavaliando a data por orientação de nosso corpo técnico da saúde. Até o momento obtivemos os resultados que temos, ouvindo-os e cumprindo com suas orientações, portanto, reiniciaremos assim que nos autorizarem. Penso de forma diferente, mas me curvo aos que tem conhecimento para preservar a vida, os profissionais da saúde – pontua.   

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp