28/05/2020 às 09h52min - Atualizada em 28/05/2020 às 09h52min

RS retoma aulas de forma remota em junho e prevê retorno total em setembro

O governador Eduardo Leite anunciou, nesta quarta-feira, que o retorno das atividades escolares no Rio Grande do Sul vai ocorrer, de forma remota, a partir de 1º de junho, para as instituições públicas e privadas de ensino. Em função da pandemia de Covid-19, as aulas permanecem suspensas desde 13 de março, embora muitas instituições privadas já atuem com a modalidade de ensino a distância.

Para a rede pública, pode ser ofertado aumento da capacidade de internet para que os estudantes consigam acompanhar o conteúdo virtual. A regulamentação vai ser publicada, no Diário Oficial (DOE), até sexta-feira. Dividido em cinco etapas, o retorno só deve ser concluído, com a retomada das aulas presenciais, em setembro.

“Por ora, a prioridade é fortalecer as aulas remotas e a aprendizagem em casa”, destacou o governador. Como já havia sido antecipado, o modelo de retomada vai ocorrer por fases. Entre uma etapa e outra, serão 15 dias que, segundo Eduardo Leite, servirão para “analisar o sucesso da fase anterior”. As orientações anunciadas hoje fazem parte da “Etapa 1” do planejamento do governo.

 
Um protocolo de saúde específico para o retorno das aulas está sendo organizado para entrar quando as aulas presenciais recomeçarem. Conforme o governador, a “Etapa 2”, que vai ser anunciada em 15 de junho, prevê a retomada das atividades práticas, como  em laboratórios, do ensino superior. Também voltarão a ser presenciais os calendários acadêmicos de pesquisas e estágios superiores.
 

O governo ainda define as atividades que devem integrar a “Etapa 3”. Um dos cenários possíveis é o retorno prioritário das aulas presenciais em escolas de ensino infantil. Um segundo cenário prevê o retorno do ensino infantil junto com o do ensino fundamental.

A volta prioritária do ensino médio também não é descartada, de acordo com a análise do controle da pandemia. Independente da escolha, Eduardo Leite ressaltou que orienta que “as crianças permaneçam em casa”, se possível, mesmo com o retorno da rede infantil de ensino.

Para a tomada de decisão, o governo considerou a capacidade de autocuidado do educando, o uso de aulas não presenciais, o número de alunos por turma e os recursos financeiros necessários para a adoção de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Além disso, analisou a complexidade do uso do transporte escolar, da circulação de pais e alunos até as escolas, a logística de refeitórios, a situação em que pais e alunos decidem apenas manter o ensino domiciliar, protocolos de saúde e salas de isolamento nas escolas para alunos que apresentem sintomas de infecção.

O novo método deve obedecer os protocolos do Distanciamento Controlado do governo estadual e os protocolos específicos a serem publicados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Além disso, um Comitê de Emergência vai ser instalado em cada escola para monitoramento da execução dos protocolos de saúde.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp