25/02/2020 às 09h39min - Atualizada em 25/02/2020 às 09h39min

Estados do sul do Brasil poderão formar primeiro bloco livre de aftosa sem vacina

Com Paraná e Rio Grande do Sul antecipando o cronograma do Ministério da Agricultura, região tem chance de ser a primeira no país com status sanitário diferenciado

Os movimentos feitos por Paraná e Rio Grande do Sul para antecipar a retirada da vacina contra a febre aftosa poderão fazer com que a Região Sul seja a primeira no país a ter o status de livre da doença sem imunização. Hoje, somente Santa Catarina tem essa condição.
Os paranaenses já receberam aval do Ministério da Agricultura e deixaram de aplicar as doses na segunda etapa da campanha, no ano passado. O Rio Grande do Sul pretende fazer a solicitação em maio deste ano.Para isso, adiantou a primeira fase da vacinação do rebanho, que ocorreria em maio e agora será feita entre 16 de março e 14 de abril. O Estado recebeu nota suficiente para buscar o avanço, em auditoria realizada pelo ministério no ano passado. Mas há ajustes a serem providenciados — o prazo é até agosto. Dois deles são reforço de pessoal, com a contratação de 150 terceirizados, e de frota de veículos do Departamento de Defesa Agropecuária (cem unidades). O investimento com as medidas é estimado em R$ 10,6 milhões e depende de aprovação do Piratini para ser concretizado. 

No Paraná, a Agência de Defesa Agropecuária (Adapar), autarquia criada em 2012, tem orçamento anual de R$ 116,84 milhões e conta com mais de 800 profissionais (veja acima).
O secretário de Agricultura, Norberto Ortigara, explica que série de ações foram desenvolvidas para que se pudesse pedir o fim da imunização. Além da criação da agência, que permitiu valorização dos servidores com melhores salários, cita ainda o aumento da vigilância ativa, informatização dos processos e construção ou reforço das 33 unidades fixas na divisa com São Paulo. Há também um fundo para emergência sanitária que contabiliza R$ 79 milhões em caixa. 

— É muito mais estratégia, parceria do que dinheiro. É uma pegada coletiva — avalia Ortigara.

Santa Catarina, único Estado brasileiro com status internacional de livre de aftosa sem vacinação, deixou de imunizar seu rebanho em 2000 e recebeu certificado de livre da doença em maio de 2007. No ano passado, a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) teve investimento de R$ 214,3 milhões. Há 63 barreiras sanitárias fixas. Bovinos e bubalinos são identificados e rastreados. 

O resultado da mudança foi crescimento dos embarques de carne. Em 2000, as exportações de suínos e aves somavam US$ 548,7 milhões e 520,2 mil toneladas. No ano passado, chegou a US$ 3,17 bilhões e 1,76 milhões de toneladas. 

Tanto Paraná quanto Rio Grande do Sul anteciparam-se ao cronograma estabelecido pelo Ministério da Agricultura para o fim da imunização. O país foi dividido em cinco blocos, com PR, SC E RS formando um deles.  






 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp